logo

6/12/2022 18:41

Justiça Argentina condena Cristina Kirchner, vice-presidente da Argentina, a 6 anos de prisão

0 0 0 0

2887 visitas - Fonte: UOL

A vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, foi condenada a 6 anos de prisão por ter supostamente atuado como "chefe de uma organização criminosa para desviar verbas do Estado". Kirchner ainda pode recorrer, porque a decisão aconteceu em primeira instância e ela ainda não será presa.

Segundo a Justiça argentina, os crimes teriam acontecido quando ela era presidente do país entre 2007 e 2015. Existe a expectativa de que a última apelação a que ela tem direito aconteça durante as eleições presidências de 2023.

"Obviamente, haverá uma condenação", disse a ex-presidente em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo. Desde o início do processo, em 2019, a ex-mandatária de 69 anos vinha afirmando que o veredito "já está escrito de antemão", ao afirmar se tratar de um julgamento político que pretende envolver todo o peronismo - O movimento político inspirado no ex-presidente populista Juan Domingo Perón, que governou o país entre 1946 a 1955 e, mais tarde, de 1973 a 1974.

Kirchner era acusada juntamente com outras 12 pessoas adjudicação supostamente ilegal de contratos de obras públicas na província de Santa Cruz em seus dois mandatos como presidente.

A Promotoria pediu inicialmente uma pena de 12 anos de prisão, por considerada "chefe de associação criminosa" e por fraude, além de sugerir a inabilitação para exercer cargos públicos.

Antes do veredito, Kirchner disse que continuará na política , independentemente da sentença. "Opinar e dizer o que me parece que tem que ser feito para construir um país melhor para nossa gente, isso é algo que não vou renunciar jamais".

Em suas palavras finais perante o Tribunal, ela acusou os juízes de terem "inventado e distorcido" suas ações. "Isso é um pelotão de fuzilamento", criticou.

A defesa questionava a acusação de associação criminosa sobre a qual a promotoria construiu o caso contra a ex-presidente. Se o tribunal adotasse somente a acusação de fraude, a pena máxima se reduziria a seis anos. Em ambos os casos, pode ser aplicada a a inabilitação perpétua para o exercício de cargos públicos

Os advogados de Kirchner afirmam que não há provas para condená-la, mas que "o juízo será político,e é claro que haverá uma condenação."

Juiz sob investigação

No dia anterior ao julgamento, o presidente da Argentina, Alberto Fernández, ordenou a abertura de uma investigação sobre uma suposta viagem secreta que teria sido feita por um grupo de promotores, empresários de mídia e juízes, entre os quais, Julián Ercolini, que conduziu o processo contra Cristina.

Fernández anunciou a medida em um pronunciamento à nação, acusando "grande parte do sistema de mídia privado" de "não noticiar o que aconteceu na viagem do grupo à região do lago Escondido", na região da Patagônia.

O pedido de investigação foi feito após a revelação de mensagens nas quais membros do grupo supostamente combinavam estratégias para esconder a viagem. "Fere a democracia ver a promiscuidade antirrepublicana com que alguns empresários, juízes, promotores e funcionários se movem", disse o mandatário. "Até agora eles se sentiram impunes. É hora de começarem a prestar contas."

Segundo reportagem do jornal Página 12, a viagem teria sido ocorrido no dia 13 de outubro ao Lago Escondido. O grupo, supostamente, voou em um avião particular e teria se hospedado na casa de campo do milionário britânico Joe Lewis.

A imprensa divulgou uma série de mensagens nas quais também foram discutidos meios de ocultar a origem do financiamento da viagem. Alguns teriam proposto a apresentação de faturas falsas e montagens de fotos.

"Parece evidente que a viagem existiu. E tudo parece indicar que, sabendo que o evento havia virado notícia, aqueles que teriam participado dele ficaram preocupados com o risco real de se envolverem em uma série de crimes, tal como a percepção de que [teriam recebido] presentes e faltado com o cumprimento das funções de servidores públicos", afirmou Fernández.

Atentado

Em 1º de setembro, Cristina sofreu um atentado ao chegar em sua casa, no bairro da Recoleta, em Buenos Aires.

O agressor, o brasileiro Fernando Sabag Montiel, tentou disparar uma arma a poucos centímetros do rosto da vice-presidente. Ele foi preso, assim como outras pessoas acusadas de envolvimento no caso.

No mesmo mês, Sabag e sua namorada, a argentina Brenda Uliarte, de 23 anos, foram acusados pela tentativa de homicídio. A juíza do caso decretou a prisão preventiva do casal e o pagamento, por cada um deles, de 100 milhões de pesos (cerca de 3,11 milhões de reais).

A Argentina vive um período de alta tensão política. Desde a abertura do processo contra a ex-presidente e atual vice-presidente de Fernández, grupos a favor e contra a líder peronista têm se manifestado nas ruas de Buenos Aires.

Plantão Brasil foi criado e idealizado por THIAGO DOS REIS. Apoie-nos (e contacte-nos) via PIX: apoie@plantaobrasil.net

Clique aqui para entrar no grupo de WhatsApp e receber imagens, vídeos e notícias contra Bolsonaro e o fascismo.



APOIE O PLANTÃO BRASIL - Clique aqui!

VÍDEO: CPI DO CAPITÓLIO NOS EUA!! EDUARDO B0LSONARO NA MIRA:



Se você quer ajudar na luta contra Bolsonaro e a direita fascista, inscreva-se no canal do Plantão Brasil no YouTube.



O Plantão Brasil é um site independente. Se você quer ajudar na luta contra o golpismo e por um Brasil melhor, compartilhe com seus amigos e em grupos de Facebook e WhatsApp. Quanto mais gente tiver acesso às informações, menos poder terá a manipulação da mídia golpista.


Últimas notícias

Notícias do Flamengo Notícias do Corinthians