logo

2/6/2022 13:25

Pressionado pelo governo a renunciar ao cargo, atual presidente da Petrobras se nega a sair

0 0 0 0

783 visitas - Fonte: G1

O governo do presidente Jair Bolsonaro está pressionando pela renúncia do atual presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho. O governo quer acelerar o processo de votação do indicado para substituí-lo no posto, Caio Paes de Andrade. Mas Ferreira Coelho já avisou que cumprirá sua missão até o fim e não vai renunciar ao cargo.

Sem uma renúncia, o governo precisa aguardar os trâmites normais para a votação de Caio Paes de Andrade, o que pode demorar de 45 dias a 60 dias. Se o atual presidente decidisse sair antes, o processo poderia ser acelerado. A mesma pressão foi feita na época do presidente anterior da estatal, Joaquim Silva e Luna, mas ele também resistiu.


A amigos, Ferreira Coelho deixou claro que precisa cumprir sua missão até o fim. Ele até já se posicionou sobre o assunto: “Temos a responsabilidade de dar continuidade às operações e à gestão da empresa, e aguardamos que o processo de transição seja feito por meio da Assembleia de Acionistas, obedecendo à governança e às regras institucionais da empresa”, afirmou.

Dentro do governo, a avaliação já era de que dificilmente Ferreira Coelho aceitaria renunciar e antecipar sua saída do comando da estatal. Segundo um assessor, a forma como ele foi demitido, estando no cargo pouco mais de trinta dias, foi deselegante e desrespeitosa.


O governo tem pressa em trocar o comando da empresa porque deseja aumentar o intervalo de tempo entre reajustes dos preços, tentando evitar, por exemplo, novos aumentos durante o período eleitoral. As regras da empresa não fixam um período entre os reajustes, mas que, ao final do ano, os preços dos combustíveis, na média, estejam alinhados aos praticados no mercado internacional.

A equipe de Bolsonaro foi surpreendida ao descobrir que a troca não seria imediata, mas poderia demorar entre 45 dias e 60 dias, na melhor das hipóteses. Isso porque o Palácio do Planalto ainda tem que encaminhar à estatal a indicação de outros conselheiros eleitos por voto múltiplo na assembleia que elegeu Ferreira Coelho.


Quanto mais o governo demorar para encaminhar os novos nomes, maior será o prazo para a análise dos novos indicados para o Conselho de Administração pelo comitê de pessoas da estatal. Depois desta análise e aprovação do comitê, começam a correr prazos que levam entre 45 dias e 60 dias.

A expectativa é que o governo encaminhe os demais nomes ainda nesta semana. Os escolhidos, inclusive, já estão sob análise da Casa Civil, para passar por um crivo inicial do governo e evitar recusas do comitê de pessoas da estatal. O Palácio do Planalto deve reconduzir alguns conselheiros e indicar novos.


Atualmente, os conselheiros indicados pelo governo e que fazem parte do Conselho de Administração são: Márcio Weber, atual presidente do conselho, Murilo Marroquim de Souza, Luiz Henrique Caroli, Sonia Julia Sulzbeck Villalobos e Ruy Flaks Schneider. José Mauro Coelho Ferreira é o sexto nome, mas o governo já decidiu trocá-lo.

Plantão Brasil foi criado e idealizado por THIAGO DOS REIS. Apoie-nos (e contacte-nos) via PIX: apoie@plantaobrasil.net

Clique aqui para entrar no grupo de WhatsApp e receber imagens, vídeos e notícias contra Bolsonaro e o fascismo.



APOIE O PLANTÃO BRASIL - Clique aqui!

VÍDEO: CPI DO CAPITÓLIO NOS EUA!! EDUARDO B0LSONARO NA MIRA:



Se você quer ajudar na luta contra Bolsonaro e a direita fascista, inscreva-se no canal do Plantão Brasil no YouTube.



O Plantão Brasil é um site independente. Se você quer ajudar na luta contra o golpismo e por um Brasil melhor, compartilhe com seus amigos e em grupos de Facebook e WhatsApp. Quanto mais gente tiver acesso às informações, menos poder terá a manipulação da mídia golpista.


Últimas notícias

Notícias do Flamengo Notícias do Corinthians