logo

13/11/2020 12:53

Bolsonaro pode vir a ser o ´´vilão do clima`` no governo Biden e afetar negociações brasileiras com o mundo

0 0 0 0

4017 visitas - Fonte: Vi o Mundo

O presidente eleito Joe Biden prometeu renovar o compromisso dos Estados Unidos com o acordo climático de Paris e alavancar a comunidade internacional para instar os países relutantes a embarcarem na meta de evitar que as temperaturas médias globais subam acima de 2 ° C.



Como parte desse esforço, conforme descrito no ambicioso plano climático de Biden, sua administração planeja “nomear e envergonhar os fora-da-lei globais do clima” em um novo “Relatório de Mudança Global do Clima“, a fim de “responsabilizar os países pelo cumprimento ou não, seus compromissos de Paris e para outras etapas que promovam ou prejudiquem as soluções climáticas globais. “

Durante o primeiro debate presidencial de 2020, Biden deu uma indicação de um dos primeiros países potencialmente rotulados de “fora da lei”: o Brasil.

Biden disse que vai reunir os países para levantar US $ 20 bilhões para doar ao Brasil para proteger a Amazônia.



Ele também ressaltou que haveria sérias consequências se o Brasil não parasse com suas políticas de desmatamento.

Nos últimos dois anos, o Brasil experimentou incêndios florestais recordes que foram exacerbados pelas mudanças climáticas e pelo manejo florestal deficiente.

Como escreveu Lili Pike da Vox em setembro: “Assim como em 2019, os pesquisadores relacionaram os incêndios deste ano [no Brasil] ao desmatamento ilegal em massa. Sob a administração do presidente Jair Bolsonaro, fazendeiros, invasores e mineiros tiveram muito mais liberdade para limpar a rica floresta para atividades comerciais, e atear fogo é uma maneira barata de fazer isso. ”

O legado de Bolsonaro de negação da mudança climática e sua atitude relaxada em relação ao desmatamento da Amazônia ajudaram a alinhá-lo com Trump.



Mas sob um governo Biden, o desrespeito pela Amazônia e a descrença no aquecimento global podem não ser tão fáceis de resolver.

“Há pessoas no Partido Democrata que gostariam de ir atrás de Bolsonaro e ser muito duro com ele nesta questão, e unir forças com os europeus para aplicar uma pressão significativa”, Mike Shifter, presidente do Diálogo Interamericano, um think tank de política, disse à Reuters em outubro.

Com a saída de Trump e a maioria dos países do mundo trabalhando para atingir a meta de 2 graus do acordo de Paris, Bolsonaro poderia ver seu governo sujeito a uma crescente pressão global, liderada pelo governo Biden.



Bolsonaro reagiu desafiadoramente aos comentários de Biden no debate em setembro sobre dar ao Brasil US $ 20 bilhões para proteger a Amazônia, tweetando: “O que alguns ainda não entenderam é que o Brasil mudou. Hoje, seu presidente, ao contrário da esquerda, não aceita mais subornos, demarcações criminais ou ameaças infundadas. NOSSA SOBERANIA NÃO É NEGOCIÁVEL.”

Claro, isso foi antes de Biden ganhar as eleições presidenciais dos EUA. Mas Bolsonaro ainda não mudou de tom.

Em 10 de novembro, ele respondeu novamente à ameaça de Biden se o Brasil não parasse o desmatamento da Amazônia.



Ainda se referindo ao presidente eleito Biden como um “candidato” apesar de sua vitória, Bolsonaro — que tinha um bom relacionamento com o presidente Trump e ainda não deu os parabéns a Biden pela vitória — rebateu: “Recentemente ouvi um candidato presidencial a chefe de estado dizer que se eu não apagar o fogo na Amazônia, ele vai levantar barreiras comerciais contra o Brasil. Como lidamos com tudo isso? A diplomacia não é suficiente. Quando não houver mais saliva, então deve haver pólvora. “

Os comentários agressivos de Bolsonaro sugerem que um caminho difícil pode estar à frente para as relações Brasil-EUA.

Mas os Estados Unidos e a comunidade internacional têm uma influência econômica significativa que poderiam exercer sobre Bolsonaro para pressioná-lo a mudar suas políticas.



A desaceleração econômica global causada pela pandemia Covid-19 atingiu duramente a economia do Brasil e, particularmente, seu mercado de exportação. China, Estados Unidos e União Europeia são os três principais parceiros comerciais do Brasil.

Se esses países decidirem, poderiam aplicar pressão econômica substancial sobre o país para encorajar Bolsonaro a repensar sua postura desafiadora.

“Os EUA têm que se reunir com a UE, China e outros que são grandes compradores de produtos do Brasil — seja soja, carne, madeira — e estabelecer e dizer: ‘Se você não restaurar e expandir seus esforços para policiar o desmatamento da Amazônia, vamos cortar suas cadeias de abastecimento’”, disse Alden Meyer, ex-diretor de estratégia e política da Union of Concerned Scientists que agora trabalha como estrategista independente em políticas climáticas.

“Essa é a vantagem que outros países têm sobre o Brasil: se você não vai proteger a Amazônia, não vamos fazer negócios com você.”



Mas, observou Meyer, para se tornar um líder no cenário climático internacional, os EUA devem levar a sério a redução das emissões em todos os setores de sua economia: energia, transporte, construção, indústria, agricultura, florestas.

“É viável se os EUA fizerem seu dever de casa”, disse Meyer.

Clique aqui para entrar no grupo de WhatsApp e receber imagens, vídeos e notícias contra Bolsonaro e o fascismo.



APOIE O PLANTÃO BRASIL - Clique aqui!

VÍDEO: CARLUXO PODE SER PRESO E JAIR ESTÁ DESESPERADO!!!



Se você quer ajudar na luta contra Bolsonaro e a direita fascista, inscreva-se no canal do Plantão Brasil no YouTube.



O Plantão Brasil é um site independente. Se você quer ajudar na luta contra o golpismo e por um Brasil melhor, compartilhe com seus amigos e em grupos de Facebook e WhatsApp. Quanto mais gente tiver acesso às informações, menos poder terá a manipulação da mídia golpista.


Últimas notícias

Notícias do Flamengo Notícias do Corinthians